Vai comprar carro? Planeje seu orçamento

Conforto, praticidade e até mesmo liberdade. Comprar carro é o tipo de decisão que muda a vida do consumidor. Você tem o sonho de usufruir desses benefícios e está pensando em adquirir o seu? Se a resposta é sim, para ter sucesso nesse projeto o importante é se planejar. Separamos alguns custos que fazem parte da vida do motorista para ajudá-lo a fazer um planejamento financeiro. Comprar carro vai te proporcionar mais lazer, segurança, economia de tempo, entre uma série de benefícios. Mas realizar esse sonho só será possível se você conhecer sua capacidade financeira, pois diversos itens, entre obrigatórios e eventuais, farão parte seu orçamento a partir dessa aquisição. Confira a lista com os principais:

1 – Combustível

Esse é um componente que deve ser levado em conta antes mesmo de escolher o modelo do automóvel. No site do Inmetro, você pode descobrir o consumo médio de acordo com modelo e fabricante. Já no site da ANP, é possível acessar os valores dos combustíveis praticados em sua região. Em seguida, faça contas, considerando: o trajeto médio que será percorrido, o consumo médio do seu carro e o preço médio do combustível. Você conseguirá estimar qual será sua despesa média mensal com combustível.

2 – Licenciamento

Anualmente, você deverá renovar o licenciamento do seu automóvel. Esta despesa é composta pelo valor do IPVA, mais a taxa de licenciamento e o seguro DPVAT obrigatório (R$ 63,69, em 2017, para veículos leves). O IPVA vai variar de acordo com o valor de venda do carro (definido pela tabela FIPE) e o estado em que você mora, já que a alíquota é definida pelas secretarias estaduais de fazenda. O mesmo vale para a taxa de licenciamento. Lembrando que apenas os veículos com mais de 20 anos de fabricação não pagam o IPVA.

3 – Seguro

Fazer um seguro para seu carro é opcional, em termos. Ao comprar carro, tenha em mente que está adquirindo um bem caro. Por isso, é realmente importante buscar diminuir os riscos de um prejuízo. O valor do seguro também vai variar de acordo com o modelo do veículo, ano de fabricação, o perfil do contratante, entre outros fatores. Entretanto, é fundamental ter esse custo em mente para evitar prejuízos com furtos ou sinistros.

4 – Revisão

Ao comprar carro novo, a garantia costuma ser atrelada à realização de revisões em oficinas autorizadas. Mas a importância desse procedimento vai além disso, é também uma questão de segurança. Mesmo o veículo não sendo novo, o ideal é revisar a cada 10 mil km rodados ou a cada seis meses, o que ocorrer antes. Essas revisões costumam ter preço fixo. Fique de olho no que é apenas necessário. O manual do proprietário costuma indicar quais itens devem ser avaliados em cada revisão. Havendo necessidade, você deverá arcar com o custo da substituição da peça.

5 – Manutenções

Com o tempo e o desgaste do carro, fatalmente será preciso consertar algo que quebrou ou não
está funcionando perfeitamente. Independente de intempéries, quebras e estragos, seu veículo
possui itens que, pelo desgaste do uso, precisarão ser trocados ou revistos frequentemente, e
devem constar em sua planilha de custos. Por exemplo: pneus, pastilhas de freio, trocas de óleo,
correia dentada, ar condicionado, entre outros.

6 – Limpeza

Com a correria do dia a dia, pode ser difícil separar um tempo para limpar seu possante. Sendo assim, é claro que o valor vai variar de acordo com o tipo de limpeza que será contratado ou se haverá aspiração e polimento. É possível até economizar, se você mesmo decidir fazer isso em casa. Nesse caso, lembre-se de colocar na ponta do lápis os gastos com os produtos que eventualmente irá comprar.

7 – Estacionamentos e pedágios

Seja a trabalho ou a passeio, é difícil encontrar vagas para estacionar na rua. Mesmo não considerando a questão da segurança, o estacionamento rotativo é uma realidade em grandes cidades. Além disso, se você não tiver garagem em casa, pode ser necessário alugar uma vaga. Também devem ser considerados nessa conta os gastos com pedágio.

8 – Multas

Como bom condutor, é claro que você sempre estará atento às normas de trânsito, não é mesmo?
Porém, você eventualmente poderá ser surpreendido com uma multa, cujo pagamento está
atrelado à concessão do licenciamento do veículo, ou seja, só é possível obtê-lo mediante quitação de todas as pendências. Portanto, a título de curiosidade, vale saber alguns valores, conforme a gravidade da infração cometida, para 2.018, por definição do CONTRAN: infração leve, motorista perde 3 pontos, multas a partir de R$ 88,38; média, perde 4 pontos, mil a a partir de R$ 130,16; grave, 5 pontos, a partir de R$ 195,23; e gravíssima, 6 ou 7 pontos, e multas que podem chegar até R$2.934,00, por dirigir alcoolizado fazer manobras perigosas ou promover rachas, doutras, por impedir a rua com seu veículo ou organizar a obstrução da rua, multa altíssima, de R$17.608,00, perdendo 7 pontos.

9 – Depreciação

A perda de valor anual do veículo é o principal fator para não considerar a compra do carro como um investimento. Em média, um automóvel perde 10% de seu valor por ano no preço de revenda. Soma-se à queda natural de valor, os eventuais danos recorrentes do uso. Por isso, para minimizar os impactos da depreciação, garanta que o seu carro seja bem utilizado, realize manutenções periodicamente e evite colisões.

Se você está planejando a aquisição de um carro, o consórcio pode ser um importante opção. Existem planos com valores e duração que se adequam a qualquer planejamento financeiro.

Fonte: ABAC